Translate

sábado, 8 de outubro de 2016

DIA DO NORDESTINO


Decidimos usar o Dia do Nordestino para voltar os nossos olhos às pessoas que não moram aqui. Conversamos com alguns amigos que são do Nordeste e vivem em outras regiões do país para que juntos analisássemos e ilustrássemos algumas situações nas quais o preconceito, mesmo polido ou acompanhado de algum tipo de elogio, machuca e ajuda a perpetuar estereótipos. Confira o resultado.
BASE PROPAGANDA
"De NÓS, pra você.
Estamos sempre em busca do nosso lugar no mundo. E, por onde quer que a gente vá, carrega em si um universo próprio, cheio de coisas que só a gente sabe realmente como são. Aquela tal de experiência de vida, não é?
O simples fato de termos nascido em uma região específica não nos torna especiais ou diferentões, mas é claro que temos prazer em externar a nossa origem. Afinal, são palavras e expressões que nos lembram os amigos de infância, sabores e canções que nos levam imediatamente aos encontros de família, dificuldades que costumamos associar a quem sofre como nós.
Porque sim, sofremos. Algumas vezes como qualquer um sofre, claro. Mas, outras, simplesmente por sermos de “lá”, do Nordeste. Um sofrimento que pode surgir a partir do que você pensa da gente, de como você imagina a nossa história ou do que você nem se interessa em saber se é verdade, ou não.
Você pode estar por perto, esbarrar com a gente na rua, pode ser um amigo do peito ou um ilustre desconhecido. Mas, em qualquer uma dessas possibilidades, vai sempre nos enxergar como uma xilogravura, um sotaque ou uma reprodução satírica de características engraçadas, exóticas, bizarras…Sim. É possível que você consiga identificar qualidades em nós, mas quase sempre elas serão suprimidas pela ideia que você tem da nossa origem.
Talvez você até encontre uma forma que acredita ser mais polida para mostrar que nunca seremos como você. Mas não adianta; viemos de um mundinho como qualquer outro, porém completamente nosso e presente em cada parte do que somos.
Por isso, no dia em que comemoramos mais uma vez o fato de sermos NÓS, deixamos o recado: Se oriente! Elogio não anula preconceito."

Sim, podemos ser tão bons no que fazemos quanto qualquer pessoa de qualquer lugar que seja. E, talvez, o nosso ritmo seja diferente mesmo: está em nosso DNA, essa coisa de ter que batalhar um pouco mais por nossas conquistas. Nada vem fácil! 


É pra agradecer? 
Veja bem: nós ficaríamos agradecidos de verdade se você enxergasse um pouco da nossa essência. Não faz sentido associar a beleza de uma pessoa a uma região do país. Se fizesse e se você conhecesse o Nordeste de perto, enxergaria um povo lindo, como nos enxergamos.


Tá, nós até entendemos que “ninguém quis ofender ninguém”, mas nós também não temos a intenção de ser engraçados só pelo fato de trocar umas palavrinhas com quem quer que seja. Nenhum nordestino, mesmo que carregue uma veia cômica nata, tem o poder e o interesse de fazer graça a todo instante. A dica é: aja naturalmente e, juntos, poderemos dar boas risadas.


Sim, o Nordeste é ótimo, e quem está longe morre de saudade. Mas não só das praias. A realidade do Nordeste é bem diversificada e cada estado tem uma cultura riquíssima, cada um com seus costumes, sabores e estilos de vida. Pergunte a um nordestino sobre as peculiaridades de sua terra e você terá mais informação e conhecimento para formar um pensamento mais abrangente sobre nós.


Esse termo realmente se tornou muito comum. É uma pena porque ele tem significado pejorativo, já que é usado para adjetivar qualquer tipo de atitude negativa realizada por nós nordestinos ou por qualquer pessoa, seja ela baiana ou não. Puro preconceito traduzido em uma bobagem que só afasta você de um monte de ‘coisa de baiano’ que todo mundo deveria conhecer um dia.


Ter que abrir mão das nossas raízes para conquistar um emprego novo, não é fácil. Mas essa é uma realidade que muitos de nós, nordestinos, precisamos enfrentar em outras regiões. Temos a competência profissional necessária para ocupar um cargo disponível, e não é justo ver nosso sotaque sendo tratado como um defeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário